Karol Conka denuncia assédio sexual em hotel no Rio: ‘Tive que dar na cara dele’

Karol Conka denunciou assédio que presenciou em hotel no Rio de Janeiro. 

Karol Conka denunciou assédio que presenciou em hotel no Rio de Janeiro.  Foto: Instagram/@karolconka

Na última segunda-feira, 11, Karol Conka estava no Sheraton Rio, no Leblon, quando presenciou um homem estrangeiro assediando duas mulheres na área da piscina. Ela relatou o caso em vídeos publicados no Stories do Instagram.

 

“A gente está aqui no Sheraton curtindo um final de trabalho para chegar esse gringo filho da p**a, aproveitador, e chamar as meninas de p**a e passar a mão nelas. É o dia inteiro isso, todo dia isso, gringo folgado. Agora, eu acho que a medida que tinha que ser tomada pelo Sheraton é a seguinte: o cara passou a mão nas meninas, fez gesto obsceno, tira o cara do local onde está todo mundo curtindo e vai resolver para lá. Mas não, estão aqui tranquilamente, só faltam dar beijinho na testa do tarado do c*****o”, falou a cantora.

Karol então mostrou as duas mulheres que foram assediadas, e uma delas, indignada, disse: “Agora imagina se é uma garota menor, que tem 10, 11 anos?”. A cantora voltou a publicar mais vídeos após alguns minutos para contar o desfecho da história, revelando que ela teve de partir para a agressão física para defender as vítimas devido à negligência do hotel.

“A gerência do hotel disse que levou ele para lá, não acabou resolvendo muito. Na verdade, quem teve que resolver fui eu, acabei dando na cara dele. O pior é a galera justificar essa atitude ridícula falando que ele está bêbado, fora de si. Esses gringos têm que aprender, e todos vocês, caras folgados: não importa se você bebeu, você tem que respeitar. O que eu fico mais indignada é que, se não fosse eu chegar aqui e causar um auê, o pessoal, os seguranças continuariam assistindo a ele assediando a mulher e não iam fazer nada”, contou.

A artista ainda falou que, no momento em que bateu no homem, os seguranças tentaram impedi-la. “Sabe o que foi pior? Na hora em que eu dei na cara desse merda, desse lixo, os seguranças falaram assim: ‘Não agrida’. Ah, então ele pode chegar aqui e pessar a mão na menina, ficar com o ‘bindolo’ (sic) de fora, se masturbando, e eu não posso dar na cara desse lixo? Quando você se cala diante de uma situação de abuso e agressão, você é cúmplice. Quando você vir uma situação dessa, reaja, não fique ao lado do agressor”, finalizou.

Karol ainda publicou um texto, dizendo que o Sheraton Rio não está preparado para lidar com situações de assédio sexual. Procurado pelo E+, o hotel encaminhou uma nota de esclarecimento: “A segurança dos hóspedes é sempre uma das maiores prioridades do Sheraton Grand Rio Hotel & Resort. Rejeitamos qualquer assédio. Assim que fomos informados sobre o incidente, chamamos a segurança local e prontamente nos oferecemos para entrar em contato com as autoridades. Permanecemos disponíveis para ajudar”.

Estadão